Documentário sobre político santa-cruzense é exibido na Unisc

O auditório do Memorial de Arte e Cultura, no bloco 46 da Unisc, foi palco da exibição e documentário “Matheus Schimdt: Um Caso de Amor pelo Brasil”. Na sequência ouve uma sessão de debate com a diretora Márcia Schimdt, filha de Matheus. O debate teve a mediação do editor de política do jornal Gazeta do Sul, Pedro Garcia.

O filme conta a história política de seis décadas do Brasil por meio da história do político natural de Santa Cruz do Sul e que foi um dos grandes companheiros de Leonel Brizola, líder trabalhista e ex-governador do Rio Grande do Sul e do Rio de Janeiro. De acordo a diretora, a ideia do filme surgiu após Schimdt não conseguir concluir sua biografia. “O meu pai chegou a escrever dois capítulos de sua biografia, inclusive ele havia combinado de pegar alguns documentos com um primo no dia em que faleceu. A partir daí surgiu a ideia de fazer um documentário, que surgiu de uma entrevista que ele concedeu na TV Assembleia três dias antes de morrer”, relatou.

Márcia também falou sobre ser ao mesmo tempo diretora e filha da personagem principal do documentário. “Teve momentos em que a emoção aflorava, principalmente nas entrevistas, em que se relembravam momentos da vida de meu pai”, descreveu. O filme mescla imagens da carreira de Matheus e entrevistas de quem participou junto com ele dos principais momentos da vida política nacional nos últimos 60 anos. Seu lançamento ocorreu em 2017 no Festival de Cinema de Gramado, após 7 anos de produção. O filme já foi exibido pelo canal por assinatura Cinebrasil TV.

Quem foi Matheus Schimidt?

Nascido em Santa Cruz do Sul em 1926, Matheus José Schimdt Filho foi ligado ao trabalhismo e exerceu cinco mandatos de Deputado Federal entre os anos 60 e 90. Teve seu primeiro mandato cassado em 1968, pelo Ato Institucional número 5 (AI-5). Após a redemocratização, foi um dos fundadores do PDT, partido que se elegeu para seus últimos três mandatos na Câmara dos deputados e foi presidente do diretório estadual. Também foi secretário dos transportes no governo de Alceu Collares (1991-1995). Morreu em 2009, aos 84 anos em Porto Alegre, onde vivia.

Deixe uma resposta