logo image

Porto Alegre entra na moda dos viadutos estaiados

Aproveitando-se da verba disponível para as obras da Copa do Mundo de 2014, o município de Porto Alegre está iniciando a construção de dois viadutos estaiados, sustentados por cabos de aço. A utilização de estruturas deste tipo tem crescido rapidamente nos últimos anos nas cidades brasileiras devido às suas diversas vantagens competitivas em relação a sistemas convencionais de pilares e vigas.

Historicamente, pode se destacar que este tipo de estrutura foi praticamente abolido no início do século 19, devido a problemas ocorridos em alguns projetos que optaram por utilizar sistemas como estes. Segundo os relatos históricos, a retomada deste método construtivo ocorreu após o final da Segunda Guerra Mundial, quando a Europa em destroços buscou novos modos de construir, que pudessem ser mais econômicos e rápidos de executar. De lá para cá, o sistema se consagrou cada vez mais e hoje existem modelos ao redor de todo o mundo, que aliam uma enorme qualidade arquitetônica e capacidade competitiva em relação aos sistemas convencionais.

Por realizarem a sustentação das estruturas através de cabos, estas estruturas são muito mais esbeltas e produzem uma sensação muito mais suave ao observador, reduzindo a agressividade que geralmente é causada por obras de pontes e viadutos. O exemplo do município de São Paulo demonstra que estas obras podem, inclusive, tornarem-se cartões postais, como o viaduto Octavio Frias de Oliveira, que tornou-se um símbolo nacional, aparecendo constantemente nos meios de comunicação. Mas, embora o apelo estético seja muito forte, os engenheiros afirmam que ele não é o único motivo para a opção por estas estruturas.

Em alguns casos, eles podem ser também muito mais econômicos, sendo que tudo isso depende de um conjunto de variáveis que devem ser analisadas na concepção do projeto. De maneira geral, pode-se dizer que estas estruturas são muito mais eficientes na alocação dos recursos para pontes com grandes vãos livres, para casos onde não se pode ou não se quer pilares sob a pista da ponte. Os viadutos que começaram a ser executados em Porto Alegre integram as obras de mobilidade urbana do município e visam facilitar o fluxo dos veículos.

O primeiro viaduto separará o trânsito conflitante da Avenida Edvaldo Pereira Paiva e da Avenida Pinheiro Borda, situadas na região próxima ao complexo esportivo Beira-Rio, e que facilita a ligação entre a zona sul e o centro da cidade. O segundo viaduto fará a transposição da Terceira Perimetral, que liga as zonas norte e sul, sobre a Av. Bento Gonçalves, que liga a cidade de leste a oeste, e também é um dos acessos da cidade para alguns municípios da Grande Porto Alegre e as praias do litoral sul do estado.

Este viaduto ainda contará com pistas em dois níveis, onde os veículos leves passarão nas pistas superiores e, na pista inferior, ficarão os ônibus e uma estação para embarque e desembarque, com todas as características para assegurar a acessibilidade universal e previsão de conexão futura com a linha II do metrô de Porto Alegre. Ambas as obras prometem dar maior qualidade ao trânsito do município e também se destacam pela mudança que irão gerar em seu entorno.

Fotos : Viaduto Bento Gonçalves

Viaduto Pinheiro Borda

Reportagem: Augusto Dalpiaz, Luís Gustavo Oliveira e Antônio Madeira

Compartilhe

Comentário