História da Feira

Praça Getúlio Vargas na Feira do Livro de 2017 (Foto: Gabriel Girardon)

Um dos maiores eventos culturais do município de Santa Cruz do Sul, a Feira do Livro teve sua primeira edição no ano de 1988, na Praça Getúlio Vargas. Na ocasião, o Serviço Social do Comércio do Rio Grande do Sul (Sesc-RS) desenvolvia a festa com o nome de seu projeto nacional, “Feiras de Livros Infantis”. Com o sucesso da edição realizada em 1995, surgiu a Feira do Livro de Santa Cruz do Sul, promovida pela Associação das Livrarias do Vale do Rio Pardo (Alivarp) e Secretaria Municipal de Educação e Cultura (Smec), com apoio do Sesc-RS.

A integração das duas Feiras ocorreu de 1995 a 2001 – ano em que foram realizadas a 14ª Feira de Livros Infantis do Sesc-RS e 7ª Feira do Livro de Santa Cruz do Sul – , porém, neste período sempre eram feitas contagens e utilizadas nomenclaturas distintas. A partir de 2002 o projeto foi unificado, passando a se chamar apenas Feira do Livro de Santa Cruz do Sul.

Algo inovador aconteceu na 22ª edição, em 2009, momento em que o Sesc passou a definir o patrono e o escritor homenageado. O critério adotado foi escolher um autor de Santa Cruz ou região, com o intuito de destacar e valorizar os talentos locais. Na ocasião, os nomes indicados foram Charles Kiefer e Sérgio Schaefer, respectivamente. A lista de agraciados que se seguiu contempla o criador do Sítio do Pica-Pau Amarelo, escritor Monteiro Lobato; o poeta Mario Quintana; os escritores Lya Luft, Luis Fernando Verissimo, Moacyr Scliar e Diana Corso. Este ano, na sua 31ª edição, a Feira do Livro tem como patrono Neltair Rebés Abreu, o Santiago, cartunista, chargista e ilustrador. O homenageado é Paulo Louzada, cartunista gaúcho criador do famoso personagem “Tapejara – o último guasca”.

Fonte: SESC – Santa Cruz do Sul

Texto: Martina Ferreira Sturm e Rosana Wessling